O Brasil como Ator Internacional: Tendências da cooperação para o desenvolvimento

Mariella Di Ciommo e Alice Amorim analisam o debate doméstico sobre a cooperação brasileira para o desenvolvimento e mapeiam as principais demandas dos atores nacionais para impulsionar um maior engajamento internacional do Brasil.

Os doadores emergentes devem contribuir para a agenda pós-2015 e melhorar a transparência

Mariella Di Ciommo apresenta dados sobre a cooperação para o desenvolvimento de provedores emergentes com foco sobre a atuação do Brasil. Analisando a principal meta da agenda pós-2015, Mariella sugere que maior transparência e sinergia com outros recursos podem fortalecer o papel dos países emergentes na erradicação da pobreza a nível global.

O cenário da cooperação para o desenvolvimento: Brasil e outros países emergentes

Mariella Di Ciommo e Alice Amorim apresentaram o colóquio “O cenário da cooperação para o desenvolvimento: Brasil e outros países emergentes”, no dia 28 de maio, em parceria com os núcleos de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e SSC-Project do Centro de Estudos e Pesquisas BRICS (BPC).

Mariella Di Ciommo analisou o aumento da cooperação para […]

Devemos celebrar a criação do Novo Banco de Desenvolvimento?

Alice Amorim e Mariella Di Ciommo (DI) argumentam que o Novo Banco de Desenvolvimento representa uma oportunidade para o progresso na promoção da equidade e sustentabilidade, mas muitos desafios precisam ser enfrentados (disponível apenas em inglês).

Os BRICS e seus desafios no combate à desigualdade

Fatima Mello (FASE e GIP), colaborou para o recém lançado estudo do BRICS Policy Center e Oxfam, que traz quatro análises sobre questões fundamentais para a compreensão do mundo do BRICS e busca fortalecer o debate entre organizações da sociedade civil dos países BRICS em temas chaves para o combate a desigualdade e desenvolvimento sustentável. […]

Sustentabilidade do Desenvolvimento no Brasil pós RIO+20

Em publicação comissionada pela Fundação Friedrich Ebert no Brasil, Fatima Mello e Ana Toni mostram que o atual modelo de desenvolvimento brasileiro criou um ciclo vicioso que torna as políticas sociais dependentes do crescimento econômico baseado na exploração de recursos naturais e commodities.

 

Imprensa com CEP

Em fase piloto, o Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo (PROJOR) divulga o projeto Grande Pequena Imprensa, programa de consultoria técnica direcionado a pequenos e médios veículos de comunicação regional no país. (Publicado na Revista Meio&Mensagem em 28.10.2013)

 

De volta para o futuro

Está em pauta o desafio de definir princípios-chaves de uma “agenda positiva” para estratégias de desenvolvimento, sem ceder à tentação do modelo único. São propostas que podem ser incorporadas na agenda de cada país, de acordo com questões relacionadas à economia, à política e à cultura política.

A fome que dá lucro

A especulação financeira chegou ao mercado de alimentos. E não há indícios de que vai parar. Para os produtores, essa movimentação pode significar preços maiores. Para os investidores, a possibilidade de aumentarem os lucros. Para as bolsas, uma liquidez mais atraente. Para os pobres, simplesmente a fome.